Janeiro Roxo, mês de conscientização sobre a hanseníase

Imagem mostrando a fita do Janeiro Roxo, mês de consientização sobre a hanseníase

Compartilhar está publicação

Você sabia que Janeiro Roxo é o mês de conscientização sobre a hanseníase, uma campanha que tem o apoio do Instituto Melanoma Brasil?

Primeiramente, cabe esclarecer que a hanseníase é uma doença infecciosa e transmissível. Felizmente, tem cura e o tratamento pode ser feito gratuitamente pelo Sistema Único de Saúde (SUS).

Conhecida no passado como lepra, a hanseníase é causada pela bactéria Mycobacterium leprae.  Atinge principalmente a pele e alguns nervos periféricos. Na última década, o Brasil teve expressiva redução na ocorrência da doença. No entanto, ocupa a segunda posição no mundo em número de casos.

Sinais e sintomas

Quando diagnosticada e tratada precocemente, a hanseníase não deixa sequelas. No entanto, nem sempre isso ocorre, por causa da falta de informação e de atrasos nos diagnósticos. Em estágios mais avançados, a hanseníase pode causar complicações e deformidades. Portanto, é importante ficar atento aos sinais de alerta. Os mais comuns são:

– Surgimento de manchas esbranquiçadas, avermelhadas, nem sempre bem delimitadas, em diferentes regiões do corpo

-Perda de sensibilidade ou dormência nos locais afetados

– Perda de pelos e ausência de transpiração

-Surgimento de caroços em regiões mais frias do corpo, como cotovelos, orelhas e mãos

-Formigamento nos pés, braços e pernas

– Inchaço nas mãos e nos pés

Tratamento da hanseníase

Caso apresente alguns desses sintomas, é preciso procurar ajuda médica. Quando tratada tardiamente, a hanseníase pode deixar sequelas para o resto da vida. Assim, quanto antes descobrir e tratar, melhor.

Além disso, caso receba o diagnóstico,  importante que os familiares e as pessoas que têm convivência próxima com você também sejam examinados. Acredita-se que a transmissão ocorra por meio do contato com secreções corporais do paciente infectado, como saliva e muco.

 O tratamento pode ser feito gratuitamente pelo SUS, com o uso de antibióticos que matam o bacilo causador da doença. Após iniciar o tratamento, o paciente deixa de transmitir a hanseníase para outras pessoas. Assim, não há qualquer motivo para que seja isolado do convívio social. Portanto, aproveite este mês de conscientização sobre a hanseníase para se informar bem e dizer não ao preconceito! 

Receba nossa newsletter

Newsletter

Explore outros temas

Carine Santa a e sua filha, MAria Clara, paciente de melanoma
Eu Senti na Pele

Carine Santana

Carine Santana, 28 anos, de Vitória (ES),  nunca tinha ouvido falar em melanoma. Foi uma grande surpresa para quando Maria Clara, sua filha de 8

Instituto Melanoma Brasil

faça sua parte, doe!

Receba nossa newsletter

Siga-nos nas redes sociais

Inscreva-se no canal

© 2023 Melanoma Brasil // Todos os direitos reservados

Seja um voluntário do Instituto

Faça parte do nosso banco de voluntários. Clique abaixo e preencha um formulário com seus dados e entraremos em contato para que você possa participar, com seus talentos, de ações desenvolvidas pelo Melanoma Brasil.

Faça sua doação!

small_c_popup.png

Cadastre-se

Receba nossa newsletter

Newsletter