Fernanda Knijnik, diagnosticada com melanoma ao mesmo tempo que seu irmão.

Compartilhar está publicação

Share on whatsapp
Share on facebook
Share on linkedin
Share on twitter
Share on email

A publicitária e personal organizer Fernanda Knijnik viveu uma experiência inusitada: foi diagnosticada com melanoma na mesma época que seu irmão. Veja o que ela conta sobre essa experiência transformadora. 

“Meu nome é Fernanda Knijnik, tenho 44 anos. Sou publicitária de formação, com experiência de 23 anos em grandes agências de publicidade entre Porto Alegre e São Paulo. Há três anos tenho minha empresa de Personal Organizer, a  FK CONSULTORIA EM ORGANIZAÇÃO.

Em março de 2012 fui diagnosticada com melanoma na coxa direita. Era um sinal bem pequeno e eu não sentia absolutamente nada. Não havia nenhuma evidência que me chamasse atenção.

Na verdade, minha jornada começou um pouco antes. Em fevereiro, meu irmão Rafael, foi à dermatologista examinar uma unha machucada. A médica aproveitou para fazer um check up nos sinais do seu corpo. Um deles, no braço,  tinha um aspecto estranho e foi retirado imediatamente para exame. Veio o resultado de melanoma in situ  e meu irmão fez a cirurgia na semana seguinte. Foi um susto, um alerta para todos nós.

Como somos  cinco filhos, fizemos exames para ver se mais alguém tinha melanoma, embora a  médica dissesse que seria muito azar se mais um de nós tivesse a doença, ainda mais no mesmo momento. Mas, como tudo é possível, eu fui a premiada. E digo premiada porque tive duas notícias. A ruim foi ter um melanoma e precisar fazer uma cirurgia. A boa foi a a sorte de ter um melanoma inicial como o do meu irmão, poder retirar as bordas de segurança e ficar curada. Graças a Deus!

A partir desse momento, alguns cuidados importantes e hábitos novos foram adquiridos para sempre:

  • Exames periódicos para olhar todos os sinais do corpo (hoje vez por ano, mas na época de três em três meses e depois de seis em seis meses).  
  • Sou muito mais observadora com o meu corpo e qualquer coisa que estranho vou no médico.
  • Exames de sangue e imagem regulares uma vez por ano e visita à minha clinica geral
  • Cuidado com a exposição solar; atenção aos horários e uso de protetor.
  • Cuidado com a exposição solar do meu filho de 13 anos.

Não deixei de fazer os exames de rotina no período de COVID-19, pois nessas horas temos que redobrar os cuidados de outras doenças que não vão deixar de aparecer em pandemia. 

Tento também alertar o máximo de pessoas sobre o melanoma, pois elas acham que não acontece com elas ou com pessoas conhecidas. Mas acontece sim. Aconteceu comigo. Aconteceu comigo, aconteceu com meu irmão e pode acontecer com você.

Não subestime a doença! Ela não escolhe cor, raça e muito menos data par chegar. Mas se você for cuidadoso e fizer os exames de rotina, pode ter controle sobre ela. Pode prevenir ou descobrir no começo, como eu e meu irmão. Eu senti na pele e não desejo que você sinta também. Cuide-se. 

E, como personal organizer, deixo uma dica: reserve um tempo na sua agenda para fazer exames e ir ao médico. Nada é mais importante do que ter saúde.  Mas só valorizamos quando nos sentimos amedrontados. Com a tecnologia, é muito colocar no computador ou no celular um aviso para não nos esquecermos dos compromissos.  Temos também muitos apps que podem ajudar. Não boicote o seu corpo e a sua saúde, só você perde com isso. Eu senti o melanoma na pele, e hoje sinto orgulho da minha cicatriz!”

 

Receba nossa newsletter

Newsletter

Explore outros temas

A psicóloga Ana Paula Cervi sentiu na pele o melanoma, câncer de pele mais perigoso
Blog

Ana Paula Cervi Colling

No ano passado, a psicóloga Ana Paula Cervi Colling descobriu que uma pinta na coxa esquerda, diferente de todas as outras que tinha, não era

Instituto Melanoma Brasil

faça sua parte, doe!

Receba nossa newsletter

Siga-nos nas redes sociais

Inscreva-se no canal

© 2021 Melanoma Brasil // Todos os direitos reservados

small_c_popup.png

Cadastre-se

Receba nossa newsletter

Newsletter

X