Imunoterápicos são incorporados como tratamento para melanoma avançado no SUS

Compartilhar está publicação

Share on whatsapp
Share on facebook
Share on linkedin
Share on twitter
Share on email

Vamos comemorar um momento histórico para os pacientes de melanoma de todo o Brasil!

Entrou hoje em vigor a portaria SCTIE/MS Nº 23, que incorpora os imunoterápicos Nivolumabe e Pembrolizumabe como tratamento de primeira linha para melanoma avançado e não cirúrgico no Sistema Único de Saúde (SUS).
Esta grande vitória é resultado de um processo iniciado em 2019, a partir de iniciativas da CONITEC, SBOC (Sociedade Brasileira de Oncologia Clínica) e a indústria farmacêutica, para discutir a incorporação ao SUS de medicamentos que podem representar um grande avanço na qualidade de vida e na sobrevida dos pacientes, tendo até mesmo potencial de cura em alguns casos. Todo o processo contou com a participação intensa de sociedades médicas e de organizações representantes de pacientes, como o Instituto Melanoma Brasil.

Nova perspectiva

“As drogas recém-incorporadas abrem uma nova perspectiva para quem trata o melanoma avançado no sistema público de saúde”, afirma Rebecca Montanheiro, fundadora e presidente do Instituto Melanoma Brasil. “Os imunoterápicos estavam disponíveis apenas no sistema de saúde suplementar, enquanto os pacientes do sistema público contavam apenas com quimioterápicos, sem acesso a medicações que comprovadamente têm o potencial de ampliar as curvas de sobrevida.”

Carla de Santis Gil Fernandes, advogada e Vice-presidente do Instituto Melanoma Brasil, ela própria uma usuária da imunoterapia, também celebra a conquista. “Assim como eu, outros pacientes terão acesso a um medicamento que pode nos ajudar a viver mais e melhor”, afirma. Por lei, O SUS tem agora até 180 dias no máximo para iniciar a oferta dos medicamentos. “A incorporação foi o primeiro passo. Agora precisaremos acompanhar como se dará efetivamente a compra, distribuição e o acesso aos medicamentos por parte dos pacientes”, explica a advogada. O Instituto Melanoma Brasil permanecerá atento a todas as movimentações e compartilhará todas as novidades em seus canais de comunicação.

Receba nossa newsletter

Newsletter

Explore outros temas

Blog

Julia Garcez

O que o melanoma pode ter em comum com o suicídio? Julia Garcez, jornalista especializada em saúde, mostra como esses temas aparentemente tão distintos se

Acontece

Saúde mental em tempos de pandemia

O Brasil é o país da América Latina com o maior de número de pessoas com depressão. São mais de 12 milhões que convivem com

Instituto Melanoma Brasil

faça sua parte, doe!

Receba nossa newsletter

Siga-nos nas redes sociais

Inscreva-se no canal

© 2020 Melanoma Brasil // Todos os direitos reservados

small_c_popup.png

Cadastre-se

Receba nossa newsletter

Newsletter

X