Tecnologia para diagnóstico do melanoma evita biópsias desnecessárias

Métodos inovadores de diagnóstico do melanoma trazem avanço na luta contra a doença

Compartilhar está publicação

Share on whatsapp
Share on facebook
Share on linkedin
Share on twitter
Share on email

Métodos inovadores de diagnóstico do melanoma, possibilitados por meio de avanços tecnológicos, trazem notícias animadoras na luta contra a doença, o tipo mais grave de câncer de pele.
Um dos novos aliados é um equipamento que dispõe de 92 câmeras. O paciente se posiciona no aparelho e é fotografado simultaneamente por todas elas. Depois de poucos minutos, um programa de computador constrói um retrato, em três dimensões e rico em detalhes, do corpo do paciente.

A partir desse material, os médicos conseguem analisar toda a pele e buscar lesões, irregularidades e manchas. O aparelho também dispõe de um sistema de inteligência artificial que rastreia mudanças na pele do paciente ao longo do tempo.

Com isso, além de possibilitar o diagnóstico precoce de melanoma, o aparelho torna o processo de obtenção de imagens corporais mais rápido e mais cômodo para o paciente. Além disso, por ter grande acurácia, evita também a realização de biópsias desnecessárias. O melanoma tem mais de 90% de chance de cura quando diagnosticado e tratado em estágios iniciais. 

Diagnóstico do melanoma em tempos de Covid-19

Novas tecnologias para diagnóstico são sempre bem-vindas na luta contra o câncer de pele. Porém, no contexto da pandemia de Covid-19, são mais necessárias do que nunca. Um estudo publicado no Journal of the American Academy of Dermatology estima que a pandemia tenha provocado uma queda na realização dos exames dermatológicos, o que pode ter levado a atraso no diagnóstico e tratamento de 20 mil melanomas nos Estados Unidos.

No entanto, apesar de promissor, o novo equipamento ainda não está disponível no Brasil. Atualmente, estima-se que haja 20 unidades em funcionamento, nos Estados Unidos, Austrália e Europa.

Receba nossa newsletter

Newsletter

Explore outros temas

Caroline Wille

A Caroline Wille, 23 anos, viveu a desafiadora experiência de tratar um melanoma quando tinha apenas 14 anos. Veja a seguir o relato dela. “Meu

Instituto Melanoma Brasil

faça sua parte, doe!

Receba nossa newsletter

Siga-nos nas redes sociais

Inscreva-se no canal

© 2022 Melanoma Brasil // Todos os direitos reservados

Seja um voluntário do Instituto

Faça parte do nosso banco de voluntários. Clique abaixo e preencha um formulário com seus dados e entraremos em contato para que você possa participar, com seus talentos, de ações desenvolvidas pelo Melanoma Brasil.

Faça sua doação!

small_c_popup.png

Cadastre-se

Receba nossa newsletter

Newsletter

X