Senado aprova PL que pode obrigar planos de saúde a cobrir tratamento com antineoplásicos de uso oral registrados na Anvisa *

Compartilhar está publicação

Foi aprovado pelo Senado Federal no dia 6 de junho o Projeto de Lei 6.330/19, que amplia o acesso a tratamentos antineoplásicos domiciliares de uso oral para usuários de planos de assistência à saúde. O projeto foi aprovado por unanimidade e agora será encaminhado para votação na Câmara dos Deputados.

O texto do PLS 6.330/2019 altera a Lei dos Planos de Saúde, de 1998, e, na prática, desburocratiza a cobertura desse tipo de medicamento pelos planos. Assim, basta o registro do medicamento na Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) para o plano poder custeá-lo.

Atualmente, a lei condiciona a cobertura dos tratamentos antineoplásicos ambulatoriais e domiciliares de uso oral à aprovação da Anvisa e, ainda, a uma segunda análise feita pela Agência Nacional de Saúde Suplementar (ANS), que atualiza o seu rol de diretrizes e procedimentos a cada dois anos.

De acordo com o PLS 6.330/19, bastará que tais tratamentos estejam registrados junto à Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa), com uso terapêutico aprovado para as finalidades prescritas, para que a cobertura seja obrigatória, sendo dispensada uma nova análise da ANS. O tratamento será oferecido por meio de rede própria, credenciada, contratada ou referenciada, diretamente ao paciente ou representante legal, podendo ser realizado de maneira fracionada por ciclo. O paciente precisa de indicação médica para realizar o tratamento.

Prazo máximo

Os senadores também aprovaram duas emendas ao projeto, que determinam o prazo máximo de 48 horas para fornecimento dos medicamentos antineoplásicos orais após a prescrição medica,  estabelecendo a obrigatoriedade de comprovação de que o paciente ou seu representante legal recebeu as devidas orientações sobre o uso, a conservação e o eventual descarte do medicamento.

O projeto segue agora para análise da Câmara dos Deputados e, se aprovado, para a sanção presidencial.

O Senador Reguffe (Podemos -DF), autor deste PLS, destacou que o projeto foi elogiado por oncologistas do país. e disse que pretende apresentar, em breve, um projeto que poderá tornar obrigatória a oferta de quimioterapia oral no tratamento do câncer pelo Sistema Único de Saúde (SUS). Estamos acompanhando os trâmites.

**Artigo escrito pelos advogados Carla de Santis Gil Fernandes OAB/SP 167.661 e Everson de Paula Fernandes Filho OAB/SP 206.697

 

 

 

 

 

 

 

Receba nossa newsletter

Newsletter

Explore outros temas

O tratamento cirúrgico pode ser realizado em todos os tipos de melanoma.
Notícias

Como é o tratamento cirúrgico do melanoma?

A cirurgia é um tratamento que pode ser utilizado em todos os tipos de melanoma. O tratamento cirúrgico do melanoma remove, além do tumor, uma

Blog

Pollyanna Weyll Fernandes

 Pollyanna Weyll, 32 anos, moradora do Rio de Janeiro (RJ), tem histórico familiar de câncer de pele. Aos 8 anos, perdeu a mãe em decorrência

Instituto Melanoma Brasil

faça sua parte, doe!

Receba nossa newsletter

Siga-nos nas redes sociais

Inscreva-se no canal

© 2023 Melanoma Brasil // Todos os direitos reservados

Seja um voluntário do Instituto

Faça parte do nosso banco de voluntários. Clique abaixo e preencha um formulário com seus dados e entraremos em contato para que você possa participar, com seus talentos, de ações desenvolvidas pelo Melanoma Brasil.

Faça sua doação!

small_c_popup.png

Cadastre-se

Receba nossa newsletter

Newsletter