Saiba mais sobre o melanoma nodular

O melanoma nodular é o segundo subtipo mais frequente. Embora seja responsável por  aproximadamente 15% dos casos, provoca a maioria das mortes decorrentes da neoplasia, por ser o subtipo mais agressivo e ter rápida evolução.  

Mais comum entre homens maiores de 50 anos, se desenvolve principalmente no rosto, tronco e pescoço. Atinge com mais frequência pacientes de pele mais clara (fototipos 1 e 2), mas também pode se desenvolver em fototipos mais elevados e em afrodescendentes. Os principais fatores de risco são:

  • Idade elevada
  • Histórico prévio de melanoma invasivo ou in situ
  • Presença de muitas pintas pelo corpo
  • Presença de mais de cinco nevos atípicos pelo corpo

Em geral, o melanoma nodular tem forma arredondada e elevada, semelhante a uma pinta, porém de tamanho maior. Tem coloração preta ou azulada. Em alguns casos, a lesão não é pigmentada.

Ulcerações e hemorragias são frequentes, fazendo com que o tumor seja confundido com lesões vasculares ou mesmo outros tipos de câncer de pele. Assim, o diagnóstico diferencial tem grande importância. Normalmente, o diagnóstico clínico é sucedido pela dermatoscopia e biópsia excisional.

O melanoma nodular tem um prognóstico pior quando comparado ao melanoma extensivo superficial, pois tem mais tendência a apresentar crescimento vertical e mais chances de se espalhar para outros órgãos, mesmo em estágios iniciais. Descobrir a doença precocemente é para aumentar as chances de sucesso no tratamento.

Pacientes de melanoma e a isenção do IR

Pacientes de melanoma e a isenção do IR

As pessoas que têm doenças graves são isentas do Imposto sobre a Renda da Pessoa Física, (IRPF) desde que se enquadrem cumulativamente […]

Deixe um comentário

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.