A acupuntirista e terapeuta holística Edivânia Guimarães afima: o melanoma não faz distinção.

Compartilhar está publicação

Share on whatsapp
Share on facebook
Share on linkedin
Share on twitter
Share on email

Há dois anos, uma nova pinta no antebraço direito chamou a atenção da acupunturista e terapeuta holística Edivânia Guimarães. Esquisita, a pinta apresentava quase todas as características da regra do ABCDE. Algum tempo depois, uma biópsia confirmou o diagnóstico do câncer de pele mais agressivo. Edivânia divide sua experiência e dá um recado importante: o melanoma não faz distinção. 

” Meu nome é Edivânia Guimarães. trabalho como terapeuta holística e acupunturista. Em 2019, surgiu uma pinta no meu antebraço direito que logo chamou minha atenção. Vivo residente em Tomar do Geru, no Sergipe, cidade de clima muito quente, e minha bisavó paterna teve câncer de pele.

A pinta preta no antebraço apresentava quase todos os sinais de alerta: bordas irregulares, cor escura e avermelhada, coceira e crescimento rápido. Queria ter ido ao dermatologista no final daquele ano, mas fiquei adiando. Com o início da pandemia, só consegui uma consulta no segundo semestre de 2020. O dermatologista solicitou a remoção do sinal para biópsia.

Em dezembro de 2020, o resultado revelou o diagnóstico de melanoma. Fiz uma segunda cirurgia, para retirada de margens de segurança. Atualmente, aguardo o resultado da segunda biópsia e do exame imuno-histoquímico. Além disso, estou monitorando outros sinais que tenho no corpo e fazendo novos exames.

Assim, ao saber que tinha melanoma fiquei assustada, com medo. Mas logo pensei que poderia significar um recomeço para minha vida. Todos nós que temos uma doença a tratar não podemos ficar parados. Precisamos seguir em frente, com fé e coragem, mesmo quando não tivermos novidades alegres para contar. Deus é bom o tempo todo….

Melanoma não faz distinção

Sei que o melanoma não faz distinção: pode surgir em qualquer pessoa, em qualquer tom de pele, em qualquer idade e qualquer parte do corpo. Hoje não me exponho ao sol. Uso diariamente filtro e proteção física, como roupas e acessórios.

Minha mensagem é sobre a vida, para que as pessoas se conscientizem. Acho importante haver mais informações e relatos sobre melanoma em pele negra. Muitas vezes, acreditamos que apenas pessoas claras têm risco da doença, mas isso não é verdade.

Assim, desde o diagnóstico, tenho falado para amigos, familiares, pacientes, clientes e conhecidos sobre a importância do autoexame da pele. Observe e fique atento aos sinais, pintas e manchas. E, por fim, sempre que houver uma alteração anormal, procure um dermatologista.”

Receba nossa newsletter

Newsletter

Explore outros temas

Blog

Débora Lopes Ferreira

Débora Lopes Ferreira sempre foi apaixonada por praia e nuna perdeu uma oportunidade de aproveitar o mar. Ao longo da vida, tomou muito sol desprotegida. 

Não é só o paciente que sente na pele o melanoma. A médica Camilla Oliari conta como a história de sua avó, Dona Yvone, paciente de melanoma metastático, modificou sua vida e suas escolhas.
Blog

Camilla Oliari

Como sempre falamos aqui, não é apenas o paciente que sente o melanoma na pele. Aos 9 anos, Camilla Oliari viveu a difícil experiência de

Instituto Melanoma Brasil

faça sua parte, doe!

Receba nossa newsletter

Siga-nos nas redes sociais

Inscreva-se no canal

© 2021 Melanoma Brasil // Todos os direitos reservados

Seja um voluntário do Instituto

Faça parte do nosso banco de voluntários. Clique abaixo e preencha um formulário com seus dados e entraremos em contato para que você possa participar, com seus talentos, de ações desenvolvidas pelo Melanoma Brasil.

Faça sua doação!

small_c_popup.png

Cadastre-se

Receba nossa newsletter

Newsletter

X