Larissa Reis, paciente de melanoma, não imaginava que pessoas negras pudessem ser diagnosticadas

Compartilhar está publicação

Share on whatsapp
Share on facebook
Share on linkedin
Share on twitter
Share on email

A psicóloga Larissa Reis pensava que estava naturalmente protegida contra o melanoma, mas uma verruga no couro cabeludo mostrou ser o câncer de pele mais perigoso. Moradora de Salvador (BA), ela pouco sabia sobre a doença e nunca tinha viso uma pessoa negra ser diagnosticada. Conheça sua história e a importante mensagem que ela tem a passar adiante. 

“Recebi meu primeiro diagnóstico de melanoma em 2013, quando terminava o meu Trabalho de Conclusão de Curso. Até então, sabia bem superficialmente do que se tratava a doença, tinha apenas informações básicas. Surgiu uma verruga no meu couro cabeludo, que demorei a perceber e acabei removendo alguns meses depois.  No entanto, a lesão cresceu novamente e junto a ela surgiu uma mancha preta, assim como alguns caroços no pescoço.   Imaginei que se tratasse de uma inflamação, mas a biópsia constatou o melanoma.

Receber a notícia me tirou o chão e trouxe alguns questionamentos.  Como eu poderia ter logo o câncer de pele mais grave de todos, se não me exponho ao sol e tenho pele negra, que oferece proteção extra contra os raios ultravioletas? Não conheço outra pessoa negra que tenha enfrentado a doença, tampouco vi relatos nos meios de comunicação. Pensei que estivesse naturalmente protegida, mas não estava.

 Assim descobri que o melanoma não faz distinção: pode surgir em qualquer pessoa, em qualquer tom de pele, em qualquer parte do corpo, inclusive aquelas que não tomam sol, como o couro cabeludo.  

Tratamento do melanoma

Passei um mês e alguns dias internada, recebendo interferon. Não tive muitos efeitos colaterais, apenas dor de cabeça e inflamação no fígado, que levou à suspensão do medicamento por alguns dias. Ao sair do hospital, recebi medicação subcutânea por um ano e retomei minha vida normalmente.

No final de 2018, apareceu um caroço na minha barriga e senti fortes dores na coluna. Cheguei a ir à emergência,  onde disseram que não havia nada.  Preferi consultar também o oncologista, que diagnosticou uma recidiva do melanoma na barriga e na coluna.

Foi uma luta desta vez, pois precisava receber nivolumabe,   não coberto no meu plano de saúde, e tinha que tomar também o zometa, para os ossos. Iniciei  radioterapia  paliativas, pois precisava mesmo dos medicamentos.

Mensagem

Dois meses depois, consegui finalmente os remédios necessários. Hoje a doença está estável. Precisei interromper o nivolumabe, pois tive pangastrite, e estou apenas com o zometa. Mas sigo caminhando bem, fora algumas dores nas pernas. 

Minha mensagem é sobre a vida, para que as pessoas se conscientizem. Acho importante haver mais informações e relatos sobre melanoma em negros na mídia, pois temos a impressão de que apenas pessoas de pele clara podem ter a doença, e não é assim. Aliás, importante que nós sejamos lembrados o ano inteiro, não apenas nas datas comemorativas, pois temos muitas potencialidades além da nossa cor.”

Receba nossa newsletter

Newsletter

Explore outros temas

Encontro Jornada do Paciente com Melanoma

Da descoberta de um sinal suspeito de melanoma à confirmação do diagnóstico  e início do tratamento, o caminho percorrido pelo paciente tem diferentes etapas, cada

Instituto Melanoma Brasil

faça sua parte, doe!

Receba nossa newsletter

Siga-nos nas redes sociais

Inscreva-se no canal

© 2020 Melanoma Brasil // Todos os direitos reservados

small_c_popup.png

Cadastre-se

Receba nossa newsletter

Newsletter

X