Compartilhar está publicação

A Caroline Wille, 23 anos, viveu a desafiadora experiência de tratar um melanoma quando tinha apenas 14 anos. Veja a seguir o relato dela.

“Meu nome é Caroline, tenho 23 anos, sou fisioterapeuta e moro em Lapa, no Paraná.

Minha jornada contra o melanoma começou quando eu tinha apenas 14 anos. Em agosto de 2012, estava com dermatite seborreica e fui consultar o dermatologista. No final da consulta minha mãe resolveu mostrar duas pintas que eu tinha, uma nas costas, de nascença, e outra no glúteo direito, que tinha crescido e eu só percebi quando começou a coçar. O médico, surpreso, disse que seria interessante tirá-las para evitar qualquer problema futuro. Fiz a retirada na outra semana e encaminharam para a biópsia.

Em duas semanas chegou o resultado: melanoma na pinta pequena no glúteo direito. Sem entender direito, fui pesquisar na internet e fiquei assustada. Na mesma semana fui encaminhada para o Hospital Erasto Gaertner, onde iria realizar meu tratamento.

Lembro dos médicos dizendo que se admiravam da minha pele morena e que eu era a paciente mais nova do setor, me tratavam com muito carinho.

O período entre o diagnóstico, nova cirurgia e o exame do linfonodo sentinela foi tão rápido que só pensei em lutar e esqueci todos os medos que eu tinha antes da doença.

No hospital, escutava diariamente relatos tristes e de superação. Via situações que me deixavam apavorada, mas nunca pensei em desistir. Eu enxergava a minha cura.

Minha vida mudou completamente após o resultado da biópsia negativa para qualquer metástase. Mesmo tão nova, mudei meus pensamentos, princípios e o jeito de levar a vida. Penso sempre na minha saúde, sigo rigorosamente os exames de rotina e sou grata por minha evolução depois dessa jornada difícil.

Hoje atuo na área da saúde e sempre busco o diagnóstico precoce de qualquer doença, para que todos tenham um final feliz como o meu.”

Receba nossa newsletter

Newsletter

Explore outros temas

Carine Santa a e sua filha, MAria Clara, paciente de melanoma
Eu Senti na Pele

Carine Santana

Carine Santana, 28 anos, de Vitória (ES),  nunca tinha ouvido falar em melanoma. Foi uma grande surpresa para quando Maria Clara, sua filha de 8

Instituto Melanoma Brasil

faça sua parte, doe!

Receba nossa newsletter

Siga-nos nas redes sociais

Inscreva-se no canal

© 2023 Melanoma Brasil // Todos os direitos reservados

Seja um voluntário do Instituto

Faça parte do nosso banco de voluntários. Clique abaixo e preencha um formulário com seus dados e entraremos em contato para que você possa participar, com seus talentos, de ações desenvolvidas pelo Melanoma Brasil.

Faça sua doação!

small_c_popup.png

Cadastre-se

Receba nossa newsletter

Newsletter