Por que não devemos remover verrugas fora do consultório médico?

Compartilhar está publicação

Share on whatsapp
Share on facebook
Share on linkedin
Share on twitter
Share on email

A remoção de pintas e verrugas parece simples, mas não é. Embora na maioria das vezes não causem dor, as duas exigem atenção, pois podem ser importantes sinais do organismo. Antes de serem removidas, precisam ser examinadas por um médico.

A avaliação médica é fundamental para estabelecer o diagnóstico correto. As verrugas e pintas são benignas na maior parte dos casos, mas há sérios problemas de saúde, como o melanoma e outros tipos de câncer de pele, que podem ser confundidos elas. Somente um médico pode estabelecer se é um sinal benigno ou não e prescrever tratamento adequado.

Portanto, nada de pressa. Antes de tomar qualquer providência para retirar uma pinta ou verruga, consulte um médico. Usar “soluções” caseiras ou produtos de venda livre nas farmácias, como sprays de nitrogênio líquido, dificulta o diagnóstico caso haja um câncer de pele ou outra questão mais séria. Isso pode atrasar o tratamento e diminuir as chances de cura, especialmente nos casos de melanoma. Além disso, sem supervisão, os produtos podem causar queimaduras e machucados.

O mesmo vale para a remoção de pintas e verrugas em clínicas de estética, com técnicas como o jato de plasma e outros procedimentos. Os esteticistas são profissionais que têm um papel extremamente relevante. No entanto, é importante que jamais removam pintas ou verrugas, com o risco de comprometer a saúde dos clientes, se sinais aparentemente inofensivos forem um problema grave.

Caso o médico confirme que a pinta ou verruga é realmente benigna, existem diferentes alternativas para remoção. Ele prescreverá a mais adequada. O procedimento é ambulatorial, feito sob anestesia local. O paciente pode seguir sua rotina normalmente. No caso das verrugas, existem algumas terapias que podem ser realizadas em casa. No entanto, é imprescindível que sejam prescritas pelo médico e utilizadas mediante sua supervisão.

Receba nossa newsletter

Newsletter

Explore outros temas

Não é só o paciente que sente na pele o melanoma. A médica Camilla Oliari conta como a história de sua avó, Dona Yvone, paciente de melanoma metastático, modificou sua vida e suas escolhas.
Blog

Camilla Oliari

Como sempre falamos aqui, não é apenas o paciente que sente o melanoma na pele. Aos 9 anos, Camilla Oliari viveu a difícil experiência de

Tereza de Fátima e Silva descobriu o melanoma em estágio inicial.
Blog

Tereza de Fátima e Silva

A Tereza de Fátima e Silva vive em São Bento do Sapucaí, no interior e São Paulo, e trabalha como costureira. Alguns anos atrás, ela

Instituto Melanoma Brasil

faça sua parte, doe!

Receba nossa newsletter

Siga-nos nas redes sociais

Inscreva-se no canal

© 2021 Melanoma Brasil // Todos os direitos reservados

Seja um voluntário do Instituto

Faça parte do nosso banco de voluntários. Clique abaixo e preencha um formulário com seus dados e entraremos em contato para que você possa participar, com seus talentos, de ações desenvolvidas pelo Melanoma Brasil.

Faça sua doação!

small_c_popup.png

Cadastre-se

Receba nossa newsletter

Newsletter

X