FALA DOUTOR: Entrevista com Dr. Felice Riccardi

Compartilhar está publicação

É muito comum as pessoas consultarem mais de um médico e só começarem um tratamento quando encontram um profissional que realmente as deixam seguras. A relação médico-paciente é uma interação que envolve confiança, responsabilidade e se tornou essencial para o resultado clínico de qualquer tratamento. O Melanoma Brasil conversou com o Dr. Felice Riccardi, cirurgião oncologista do Hospital Santa Rita (Santa Casa de Misericórdia de Porto Alegre), sobre a importância de se estabelecer uma relação de confiança para melhorar a qualidade de vida dos pacientes. 

 

Melanoma Brasil: Como criar uma boa relação com os pacientes?

Felice Riccardi: Sou oncologista e meus pacientes, independente de estarem passando pela primeira consulta ou retorno, geralmente chegam até mim preocupados e ansiosos. Isso sempre se transfere para o médico, principalmente para aqueles que possuem característica afetuosa. Sou médico há 24 anos e sempre valorizei o lado humano do relacionamento médico-paciente. Procuro deixar meu paciente a vontade para que ele se sinta seguro e confie em mim. Essa confiança do paciente no médico é fundamental para que o tratamento seja bem sucedido.

Melanoma: O médico tem a árdua missão de noticiar um diagnóstico negativo ao paciente. Como o senhor lida com isso?

Felice Riccardi: É muito difícil noticiar ao paciente que sua doença é grave ou progrediu.  Às vezes chego ao consultório e na recepção percebo as pessoas sérias e preocupadas. Neste momento tento tornar o clima mais leve. Brinco, faço um elogio e o paciente já entra no consultório mais leve e até com um sorriso no rosto.

Quando eu era mais jovem, sofria muito pela responsabilidade que carrega um cancerologista. Na época da residência, eu e alguns colegas de faculdade criamos um grupo com psiquiatras para discutir como melhor lidar com esse tipo de situação. Foi difícil e ainda é, mas compreendi que se o médico sofre junto com o paciente, ele não consegue cuidar. Aprendi a lidar com a situação a partir desse momento, mas não me tornei frio, continuo o mesmo médico afetuoso de sempre. Minha missão é fazer o possível para tratar o paciente da melhor forma.

Melanoma Brasil: Ser médico é estar à disposição dos pacientes 24 horas?

Felice Riccardi: O médico nunca pode deixar seus pacientes na mão. Dia desses, recebi uma mensagem às 4h da manhã. Eu acordei, vi que era uma emergência e imediatamente retornei a ligação. Se o paciente me acionou de madrugada é porque precisava de mim. Eu não estava próximo no momento, estava em outro Estado, mas orientei minha equipe e acompanhei todo o processo de longe. Tudo terminou bem e meu paciente se sentiu totalmente amparado e seguro.  As pessoas que estão em tratamento, principalmente as que enfrentam um câncer, precisam se sentir seguras, socorridas. E faz parte da profissão médica proporcionar essa segurança a elas.

Melanoma Brasil: O senhor atua há 24 anos como médico oncologista, qual balanço faz da sua trajetória?

Felice Riccardi: Eu sou um médico realizado. Exerço minha profissão com muito amor. Faço o que estiver ao meu alcance para auxiliar, ouvir e oferecer o melhor tratamento a todos que chegam até mim. Acredito que o tratatamento é parte fundamental para o restabelecimento da saúde de qualquer um, mas a forma como o médico ampara o paciente faz toda diferença. Eu realizo meu trabalho com muito zelo. Amo ser médico.

 

Receba nossa newsletter

Newsletter

Explore outros temas

Instituto Melanoma Brasil

faça sua parte, doe!

Receba nossa newsletter

Siga-nos nas redes sociais

Inscreva-se no canal

© 2022 Melanoma Brasil // Todos os direitos reservados

Seja um voluntário do Instituto

Faça parte do nosso banco de voluntários. Clique abaixo e preencha um formulário com seus dados e entraremos em contato para que você possa participar, com seus talentos, de ações desenvolvidas pelo Melanoma Brasil.

Faça sua doação!

small_c_popup.png

Cadastre-se

Receba nossa newsletter

Newsletter

X