Exposição solar ocupacional pode causar câncer de pele?

Compartilhar está publicação

Share on whatsapp
Share on facebook
Share on linkedin
Share on twitter
Share on email

A profissão que exercemos pode ser um fator de risco para determinadas doenças. Os trabalhadores que passam a maior parte do dia ao ar livre, como carteiros, jardineiros,  varredores e pedreiros, têm altos níveis de exposição à radiação ultravioleta e, por isso, uma chance maior de desenvolver diferentes tipos de câncer de pele, incluindo o melanoma.

O câncer de pele surge por várias razões, como alterações genéticas, fatores ambientais e estilo de vida, sendo a exposição à radiação ultravioleta o principal fator de risco. A exposição excessiva ao sol, por motivos de lazer ou não, é um dos motivos que ajudam a explicar o aumento no número de casos da doença nos últimos anos.

Quanto mais cedo a exposição se iniciar, maior o risco. Trabalhadores que começam a atuar precocemente ao ar livre, antes dos 30 anos, são ainda mais suscetíveis ao câncer de pele. Os raios solares têm efeitos cumulativos, e os danos podem ser percebidos apenas muitos anos após os períodos de exposição mais intensa.

Portanto, os profissionais que passam o dia sob o sol devem ser orientados sobre os efeitos dos raios ultravioletas na pele. Além disso, precisam aprender que a exposição solar pode ser atenuada com o uso diário de filtro solar, chapéus de abas largas, óculos escuros, roupas com FPS, uso de mangas longas e calças compridas. Também é importante permanecer na sombra o maior tempo possível.

Diminuir o tempo de exposição solar e utilizar o protetor são ações preventivas muito importantes. O incentivo das medidas de fotoproteção é essencial, bem como o monitoramento de alterações cutâneas ocorridas nesse grupo de trabalhadores.

Sobre o câncer de pele

Os cânceres de pele mais incidentes são o carcinoma basocelular, carcinoma espinocelular e o melanoma. O câncer de pele não melanoma é o mais frequente em nosso país, correspondendo a cerca de 25% de todos os tumores malignos.

É uma doença de bom prognóstico, com altas taxas de cura. No entanto, a demora no diagnóstico ou no tratamento pode levar a ulcerações e deformidades físicas.

Já o melanoma, o câncer de pele  mais grave, representa apenas 5% do total de casos, mais 95% do total de óbitos. É um tumor agressivo, que tem facilidade de fazer metástases, por isso precisa ser observado com atenção. Quando tratado em fases iniciais, tem mais de 90% de chance de cura.

Receba nossa newsletter

Newsletter

Explore outros temas

Não é só o paciente que sente na pele o melanoma. A médica Camilla Oliari conta como a história de sua avó, Dona Yvone, paciente de melanoma metastático, modificou sua vida e suas escolhas.
Blog

Camilla Oliari

Como sempre falamos aqui, não é apenas o paciente que sente o melanoma na pele. Aos 9 anos, Camilla Oliari viveu a difícil experiência de

Tereza de Fátima e Silva descobriu o melanoma em estágio inicial.
Blog

Tereza de Fátima e Silva

A Tereza de Fátima e Silva vive em São Bento do Sapucaí, no interior e São Paulo, e trabalha como costureira. Alguns anos atrás, ela

Instituto Melanoma Brasil

faça sua parte, doe!

Receba nossa newsletter

Siga-nos nas redes sociais

Inscreva-se no canal

© 2021 Melanoma Brasil // Todos os direitos reservados

Seja um voluntário do Instituto

Faça parte do nosso banco de voluntários. Clique abaixo e preencha um formulário com seus dados e entraremos em contato para que você possa participar, com seus talentos, de ações desenvolvidas pelo Melanoma Brasil.

Faça sua doação!

small_c_popup.png

Cadastre-se

Receba nossa newsletter

Newsletter

X