Conitec debate incorporação de novas drogas para melanoma metastático ao SUS

Conitec debate incorporação de novas drogas para melanoma metastático ao SUS

Compartilhar está publicação

Share on whatsapp
Share on facebook
Share on linkedin
Share on twitter
Share on email

Notícia importante para os pacientes de melanoma. A Conitec  (Comissão Nacional de Incorporação de Tecnologias no Sistema Único) se prepara para novamente examinar a incorporação de novos medicamentos para o tratamento da neoplasia no SUS (Sistema Único de Saúde).

 Primeiramente, vale lembrar que  tema, que já havia sido objeto de consulta pública com ampla manifestação favorável à incorporação, será novamente apreciado em uma reunião no dia 8 de julho. Na ocasião, a Conitec avaliará a incorporação da imunoterapia (Ipilimumabe, Nivolumabe, Pembrolizumabe) e terapia-alvo (Vemurafenibe, Dabrafenibe, Cobimetinibe, Trametinibe) para o tratamento de primeira linha do melanoma avançado não-cirúrgico e metastático.

Ofício

O Instituto Melanoma Brasil enviou ofício à Conitec solicitando que a comissão retifique o relatório preliminar para favorável à incorporação. O ofício leva em consideração estudos recentes e evidências científicas nacionais e internacionais. Os estudos demonstraram que o uso dos novos medicamentos aumenta a sobrevida dos pacientes e até mesmo pode possibilitar cura do doente metastático. Além disso, os medicamentos hoje utilizados como primeira linha de tratamento para melanoma metastático no SUS (como a Dacarbazina) já não são mais utilizados em outros países. Desde 2019, a OMS (Organização Mundial de Saúde) incluiu  Nivolumabe e Pembrolizumabe na lista de “medicamentos essenciais” para o tratamento de melanoma, indicando que os sistemas de saúde pública deveriam disponibilizá-los para a população.

Por fim, acompanharemos atentamente a questão e convidamos todos os pacientes, familiares e demais envolvidos na causa a fazerem o mesmo. Mais de 70% dos brasileiros dependem exclusivamente do SUS. Portanto, a incorporação de novas drogas pode ajudar a  evitar milhares de mortes. Solicitamos que a reunião seja transmitida on-line, para que a população possa se manter a par de todos os desdobramentos.

 

Receba nossa newsletter

Newsletter

Explore outros temas

Blog

Saiba mais sobre a mutação no gene BRAF

Quase 50% dos casos de melanoma têm mutação do gene BRAF. Primeiramente, cabe esclarecer que todo câncer nasce a partir de alterações sucessivas do material

Instituto Melanoma Brasil

faça sua parte, doe!

Receba nossa newsletter

Siga-nos nas redes sociais

Inscreva-se no canal

© 2020 Melanoma Brasil // Todos os direitos reservados

small_c_popup.png

Cadastre-se

Receba nossa newsletter

Newsletter

X