Como prevenir e reconhecer o câncer de pele em crianças?

Compartilhar está publicação

Share on whatsapp
Share on facebook
Share on linkedin
Share on twitter
Share on email

Crianças também podem ter melanoma e outros tipos de câncer de pele, apesar de ser muito raro. O melanoma pediátrico representa menos de 1% dos casos da doença.

Nas crianças, o melanoma está mais relacionado a síndromes hereditárias e a lesões de pele que podem sofrer modificações do que à exposição solar.

No entanto, isso não diminui a necessidade de iniciar as medidas de fotoproteção o mais rapidamente possível. Quanto mais cedo os pequenos começarem a se proteger, menores os riscos de tumores cutâneos no futuro. E estudos comprovam que o uso de filtro solar na infância pode diminuir em até 40% o risco de melanoma na idade adulta.

As crianças têm a pele mais sensível e delicada. Enquanto nos adultos geralmente as lesões têm coloração escura, nas crianças elas costumam ser esbranquiçadas, amareladas ou rosadas.

Os sintomas de melanoma infantil mais comuns são:

  • Saliências na pele que coçam ou sangram.
  • Uma lesão similar a uma verruga, de cor amarelada, esbranquiçada ou rosada.
  • Sinais de aparência estranha e tamanho grande, diferentes de outras pintas existentes no corpo da criança.

É muito importante observar constantemente a pele dos pequenos. Como eles nem sempre conseguem fazer isso sozinhos, os pais precisam ficar de olho nas pintas e sinais dos filhos. É necessário procurar orientação médica sempre que houver dúvidas ou forem encontradas lesões que se enquadrem na Regra do ABCDE:

A – Assimetria

B – Bordas irregulares

C- Coloração alterada

D – Diâmetro maior que 5 mm

E – Evolução. A lesão muda de forma ou tamanho.

 

Crianças menores de seis meses não podem usar filtro solar. A proteção deve ser feita com barreiras físicas: chapéu, guarda-sol, roupas com FPS.  Se possível, evitar a exposição das 10h às 16h, quando o sol é mais forte.

A partir dos seis meses, o protetor solar está liberado. Assim, além das medidas descritas acima, devemos usar o fotoprotetor infantil, pois oferece menor risco de alergia, já que a pele dos pequenos é muito delicada.

Além de proteção, crianças precisam de conscientização. Pais e professores explicar e reforçar a importância de usar filtro solar e outros métodos de proteção.  Como passam muito tempo ao ar livre, em atividades esportivas, educacionais e de lazer, precisam ser alertados desde cedo sobre os efeitos dos raios solares e a necessidade de proteger a pele.

 

Receba nossa newsletter

Newsletter

Explore outros temas

Não é só o paciente que sente na pele o melanoma. A médica Camilla Oliari conta como a história de sua avó, Dona Yvone, paciente de melanoma metastático, modificou sua vida e suas escolhas.
Blog

Camilla Oliari

Como sempre falamos aqui, não é apenas o paciente que sente o melanoma na pele. Aos 9 anos, Camilla Oliari viveu a difícil experiência de

Tereza de Fátima e Silva descobriu o melanoma em estágio inicial.
Blog

Tereza de Fátima e Silva

A Tereza de Fátima e Silva vive em São Bento do Sapucaí, no interior e São Paulo, e trabalha como costureira. Alguns anos atrás, ela

Instituto Melanoma Brasil

faça sua parte, doe!

Receba nossa newsletter

Siga-nos nas redes sociais

Inscreva-se no canal

© 2021 Melanoma Brasil // Todos os direitos reservados

Seja um voluntário do Instituto

Faça parte do nosso banco de voluntários. Clique abaixo e preencha um formulário com seus dados e entraremos em contato para que você possa participar, com seus talentos, de ações desenvolvidas pelo Melanoma Brasil.

Faça sua doação!

small_c_popup.png

Cadastre-se

Receba nossa newsletter

Newsletter

X