Qual a diferença entre protetores solares físicos e químicos?

Compartilhar está publicação

Share on whatsapp
Share on facebook
Share on linkedin
Share on twitter
Share on email

O filtro solar é um dos principais aliados da proteção da pele, e não pode faltar na rotina diária, em todas as estações do ano, inclusive nos dias mais frios e chuvosos. Existem filtros solares físicos e químicos, cada qual com características específicas.

Os filtros solares químicos são o tipo mais conhecido. Eles contam com moléculas que absorvem a radiação ultravioleta emitida com a luz solar e a transformam em radiação de baixa energia, inócua ao ser humano.   Dependendo da capacidade de absorver comprimentos de onda mais curtos ou mais longos, podem ser divididos em filtros UVA, filtros UVB e filtros de amplo espectro (UVA e UVB).

Também conhecidos como inorgânicos, os filtros físicos  conseguem refletir e dispersar a radiação UV e a luz visível (toda a luz que enxergamos a olho nu), além do infravermelho (radiação que existe em tudo que emite calor), por meio de uma barreira opaca. Os raios batem na pele e são refletidos pela barreira formada pelo filtro. Por não reagir quimicamente com a pele, são os mais indicados para gestantes, crianças e pessoas alérgicas. Como podem deixar a pele com aspecto esbranquiçado, uma alternativa é o uso de filtro solar efeito base. Os protetores solares mais coloridos são mais eficazes na proteção a luz visível que os brancos.

Para decidir qual filtro solar usar, considere o seu tipo de pele e suas necessidades. IÉ comum a associação dos protetores físicos e químicos. Independentemente do modelo escolhido, o uso de protetor solar é fundamental para proteger a pele dos efeitos nocivos dos raios ultravioletas. Não se esqueça de escolher um filtro solar de amplo espectro, com proteção contra os raios UVA e UVB, e fator de proteção solar (FPS) 30, no mínimo. Para aumentar a segurança, não se exponha em horários de sol forte (das 10h às 16h) e, além do filtro solar, use óculos escuros, chapéus e roupas apropriadas.

 

Receba nossa newsletter

Newsletter

Explore outros temas

Não é só o paciente que sente na pele o melanoma. A médica Camilla Oliari conta como a história de sua avó, Dona Yvone, paciente de melanoma metastático, modificou sua vida e suas escolhas.
Blog

Camilla Oliari

Como sempre falamos aqui, não é apenas o paciente que sente o melanoma na pele. Aos 9 anos, Camilla Oliari viveu a difícil experiência de

Tereza de Fátima e Silva descobriu o melanoma em estágio inicial.
Blog

Tereza de Fátima e Silva

A Tereza de Fátima e Silva vive em São Bento do Sapucaí, no interior e São Paulo, e trabalha como costureira. Alguns anos atrás, ela

Instituto Melanoma Brasil

faça sua parte, doe!

Receba nossa newsletter

Siga-nos nas redes sociais

Inscreva-se no canal

© 2021 Melanoma Brasil // Todos os direitos reservados

Seja um voluntário do Instituto

Faça parte do nosso banco de voluntários. Clique abaixo e preencha um formulário com seus dados e entraremos em contato para que você possa participar, com seus talentos, de ações desenvolvidas pelo Melanoma Brasil.

Faça sua doação!

small_c_popup.png

Cadastre-se

Receba nossa newsletter

Newsletter

X