O que é dermatite atópica?

Compartilhar está publicação

Share on whatsapp
Share on facebook
Share on linkedin
Share on twitter
Share on email

Em 23 de setembro, comemoramos o Dia Nacional da Conscientização da Dermatite Atópica. Popularmente conhecida como eczema, a dermatite atópica é uma doença cutânea crônica muito comum. Provoca a inflamação da pele, causando manchas, placas e erupções que provocam coceira e crostas.  Surge principalmente na parte de trás dos joelhos e nas articulações dos braços, mas pode se manifestar em outras regiões do corpo, como o rosto.

Mais comum nas crianças, assim como nos adolescentes, a dermatite atópica também pode afetar adultos. Estima-se que 10 a 20%  das crianças e adolescentes nos países industrializados tenham a doença; entre adultos, o número cai para 1 a 3%. A maioria dos pacientes desenvolve a doença antes dos cinco anos de idade. Quando se inicia na infância, normalmente a doença se atenua na idade adulta.

Acima de tudo, importante ressaltar que a dermatite atópica não é contagiosa. Não existe qualquer risco de disseminação após o contato com as lesões.

Fatores de risco

A causa exata da dermatite atópica ainda não foi estabelecida, porém alguns fatores de risco são conhecidos. Confira:

  • Histórico familiar da doença
  • Exposição a substâncias alergênicas como poeira, polén e ácaros
  • Exposição substâncias alergênicas adicionadas a cosméticos e produtos de limpeza
  • Estresse emocional
  • Pele ressecada e irritável
  • Mau funcionamento do sistema imunológico
  • Baixa umidade do ar
  • Temperaturas muito baixas

Tratamento

A dermatite atópica é uma doença crônica. Portanto, o tratamento visa controlar a doença e pode envolver o uso de hidratantes, cremes e medicamentos tópicos prescritos pelo dermatologista. O principal objetivo é diminuir a coceira, reduzir as inflamações e, assim,  evitar a recorrência da doença.

Por fim, a hidratação com os produtos indicados pelo médico é uma medida essencial para aliviar os sintomas. Os pacientes também devem evitar os banhos muito quentes, para evitar o ressecamento da pele. Do mesmo modo, devem evitar ao máximo a exposição a agentes que provoquem alergia.

 

 

 

Receba nossa newsletter

Newsletter

Explore outros temas

Não é só o paciente que sente na pele o melanoma. A médica Camilla Oliari conta como a história de sua avó, Dona Yvone, paciente de melanoma metastático, modificou sua vida e suas escolhas.
Blog

Camilla Oliari

Como sempre falamos aqui, não é apenas o paciente que sente o melanoma na pele. Aos 9 anos, Camilla Oliari viveu a difícil experiência de

Tereza de Fátima e Silva descobriu o melanoma em estágio inicial.
Blog

Tereza de Fátima e Silva

A Tereza de Fátima e Silva vive em São Bento do Sapucaí, no interior e São Paulo, e trabalha como costureira. Alguns anos atrás, ela

Instituto Melanoma Brasil

faça sua parte, doe!

Receba nossa newsletter

Siga-nos nas redes sociais

Inscreva-se no canal

© 2021 Melanoma Brasil // Todos os direitos reservados

Seja um voluntário do Instituto

Faça parte do nosso banco de voluntários. Clique abaixo e preencha um formulário com seus dados e entraremos em contato para que você possa participar, com seus talentos, de ações desenvolvidas pelo Melanoma Brasil.

Faça sua doação!

small_c_popup.png

Cadastre-se

Receba nossa newsletter

Newsletter

X