Melanoma Brasil reforça importância da sociedade civil em consulta que avalia incorporação de medicamentos para o melanoma no SUS

Compartilhar está publicação

Share on whatsapp
Share on facebook
Share on linkedin
Share on twitter
Share on email
Consulta pública ficará aberta até 21 de janeiro

O Instituto Melanoma Brasil, ONG que atua na divulgação e conscientização do melanoma, tipo de câncer de pele mais perigoso e letal, reforça a importância e convida a sociedade civil a participar de consulta pública para avaliar a incorporação de terapias para o tratamento do melanoma avançado não-cirúrgico e metastático no Sistema Único de Saúde (SUS). A ação é uma iniciativa da Comissão Nacional de Incorporação de Tecnologias (Conitec) e permanecerá aberta até 21 de janeiro.

Anualmente, o Brasil registra 6.260 novos casos da doença e 1.794 óbitos, segundo o Instituto Nacional de Câncer (INCA). Os pacientes de melanoma metastático que dependem do SUS têm acesso apenas à quimioterapia padrão, e não podem contar com terapêuticas mais modernas e eficientes disponíveis na rede privada há anos. Cerca de 70% dos brasileiros contam exclusivamente com o SUS.

A consulta pública aberta pela Conitec avalia a incorporação da terapia-alvo (vemurafenibe, dabrafenibe, cobimetinibe, trametinibe) e da imunoterapia (ipilimumabe, nivolumabe, pembrolizumabe) ao sistema público de saúde, como tratamento de primeira linha para o melanoma metastático avançado.

“As duas modalidades terapêuticas auxiliam na sobrevida dos pacientes, são comprovadamente eficazes e com menor toxicidade. É de extrema importante que estejam disponíveis também aos pacientes do SUS e que a sociedade civil participe dessa decisão”, afirma Rebecca Montanheiro, presidente do Instituto Melanoma Brasil.

Para participar da consulta pública, os interessados devem seguir os passos abaixo:
1. Abrir o site http://conitec.gov.br/consultas-publicas

2. Procurar a consulta número 85, chamada “Terapia-alvo (vemurafenibe, dabrafenibe, cobimetinibe, trametinibe) e imunoterapia (ipilimumabe, nivolumabe, pembrolizumabe) para o tratamento de primeira linha do melanoma avançado não-cirúrgico e metastático”

3. Estudar o material disponível e enviar suas contribuições por meio deste formulário: http://bit.ly/309dqi0

Receba nossa newsletter

Newsletter

Explore outros temas

Gicéler de Marco permitiu a detecção precoce do melanoma em seu marido, Ademir Agostineto.
Eu Senti na Pele

Gicéler de Marco

O amor faz diferença em muitos aspectos da vida, inclusive no cuidado com a saúde e na detecção precoce do melanoma. Neste Dia dos Namorados,

Instituto Melanoma Brasil

faça sua parte, doe!

Receba nossa newsletter

Siga-nos nas redes sociais

Inscreva-se no canal

© 2021 Melanoma Brasil // Todos os direitos reservados

Faça sua doação!

small_c_popup.png

Cadastre-se

Receba nossa newsletter

Newsletter

X