Melanoma Brasil reforça importância da sociedade civil em consulta que avalia incorporação de medicamentos para o melanoma no SUS

Compartilhar está publicação

Consulta pública ficará aberta até 21 de janeiro

O Instituto Melanoma Brasil, ONG que atua na divulgação e conscientização do melanoma, tipo de câncer de pele mais perigoso e letal, reforça a importância e convida a sociedade civil a participar de consulta pública para avaliar a incorporação de terapias para o tratamento do melanoma avançado não-cirúrgico e metastático no Sistema Único de Saúde (SUS). A ação é uma iniciativa da Comissão Nacional de Incorporação de Tecnologias (Conitec) e permanecerá aberta até 21 de janeiro.

Anualmente, o Brasil registra 6.260 novos casos da doença e 1.794 óbitos, segundo o Instituto Nacional de Câncer (INCA). Os pacientes de melanoma metastático que dependem do SUS têm acesso apenas à quimioterapia padrão, e não podem contar com terapêuticas mais modernas e eficientes disponíveis na rede privada há anos. Cerca de 70% dos brasileiros contam exclusivamente com o SUS.

A consulta pública aberta pela Conitec avalia a incorporação da terapia-alvo (vemurafenibe, dabrafenibe, cobimetinibe, trametinibe) e da imunoterapia (ipilimumabe, nivolumabe, pembrolizumabe) ao sistema público de saúde, como tratamento de primeira linha para o melanoma metastático avançado.

“As duas modalidades terapêuticas auxiliam na sobrevida dos pacientes, são comprovadamente eficazes e com menor toxicidade. É de extrema importante que estejam disponíveis também aos pacientes do SUS e que a sociedade civil participe dessa decisão”, afirma Rebecca Montanheiro, presidente do Instituto Melanoma Brasil.

Para participar da consulta pública, os interessados devem seguir os passos abaixo:
1. Abrir o site http://conitec.gov.br/consultas-publicas

2. Procurar a consulta número 85, chamada “Terapia-alvo (vemurafenibe, dabrafenibe, cobimetinibe, trametinibe) e imunoterapia (ipilimumabe, nivolumabe, pembrolizumabe) para o tratamento de primeira linha do melanoma avançado não-cirúrgico e metastático”

3. Estudar o material disponível e enviar suas contribuições por meio deste formulário: http://bit.ly/309dqi0

Receba nossa newsletter

Newsletter

Explore outros temas

Carine Santa a e sua filha, MAria Clara, paciente de melanoma
Eu Senti na Pele

Carine Santana

Carine Santana, 28 anos, de Vitória (ES),  nunca tinha ouvido falar em melanoma. Foi uma grande surpresa para quando Maria Clara, sua filha de 8

Instituto Melanoma Brasil

faça sua parte, doe!

Receba nossa newsletter

Siga-nos nas redes sociais

Inscreva-se no canal

© 2023 Melanoma Brasil // Todos os direitos reservados

Seja um voluntário do Instituto

Faça parte do nosso banco de voluntários. Clique abaixo e preencha um formulário com seus dados e entraremos em contato para que você possa participar, com seus talentos, de ações desenvolvidas pelo Melanoma Brasil.

Faça sua doação!

small_c_popup.png

Cadastre-se

Receba nossa newsletter

Newsletter