Melanoma acral-lentiginoso, o mais comum entre afrodescendentes e asiáticos

O melanoma acral-lentiginoso é um subtipo raro da doença, que surge independentemente da cor da pele ou do histórico de exposição ao sol. É o tipo de câncer melanoma mais comum entre os asiáticos e afrodescendentes; os primeiros por 30% a 50% dos casos, enquanto o segundo grupo responde por 70% do total. Tem rara incidência entre pessoas brancas.

O tumor se desenvolve nas palmas das mãos, plantas dos pés e  nas unhas, sendo a região plantar o local onde surge mais frequentemente. Inicialmente, tem a forma similar a uma pinta, mas pode se assemelhar também a um trauma ou mancha.

É comum que o melanoma acral-lentiginoso seja confundido  pelo paciente com micoses, machucados ou outras condições benignas, o que atrasa o diagnóstico e, consequentemente, reduz as chances de cura do tratamento. Este subtipo costuma ter progressão mais rápida do que o melanoma extensivo superficial e o lentigo maligno. Por isso, é importante incluir as unhas, mãos e pés no autoexame periódico da pele, e prestar atenção redobrada a manchas que mudam de cor ou tamanho, micoses, verrugas ou hematomas que não melhoram. Diante de qualquer dúvida ou anormalidade, procure orientação médica. Tumores diagnosticados em estágios iniciais têm altas chances de cura.

O melanoma acral-lentiginoso é um subtipo raro da doença, que surge independentemente da cor da pele ou do histórico de exposição ao sol. É o tipo de câncer melanoma mais comum entre os asiáticos e afrodescendentes, tendo baixa prevalência entre pessoas brancas. Surge nas plantas dos pés, palmas das mãos e nas unhas, e com frequência é confundido com micoses ou outros problemas benignos, que pode atrasar o diagnóstico e diminuir a chance de cura. Para saber mais, acesse nosso site  

Deixe um comentário

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.