Entrevista: Melanoma x Gestação

Compartilhar está publicação

Share on whatsapp
Share on facebook
Share on linkedin
Share on twitter
Share on email

A descoberta de um câncer muitas vezes interrompe o sonho de muitas mulheres se tornarem mães. Mas quem tem câncer ou está passando por tratamento pode engravidar? A ginecologista e obstetra Carolina Oderich desvenda essa e muitas outras questões sobre gestação e o tratamento contra o melanoma.

Melanoma Brasil – Uma mulher em tratamento contra o melanoma pode engravidar?

Professora Dra. Carolina Oderich: A mulher em vigência de tratamento contra o melanoma tem recomendação de postergar as tentativas de gestação para após o término do tratamento, tendo em vista os riscos de uma possível quimioterapia para o desenvolvimento fetal. Porém, o risco de ocorrer uma gravidez espontânea existe e, portanto, é indicado realizar a contracepção durante o tratamento.

Melanoma Brasil: Caso a gravidez seja concebida durante o tratamento. Quais os riscos para a mãe e seu bebê?

Professora Dra. Carolina Oderich: O risco depende muito do diagnóstico de estágio do tumor e da necessidade ou não de tratamento com quimioterapia. A quimioterapia não é recomendada durante a gravidez pelos riscos ao desenvolvimento fetal. A cirurgia isoladamente pode ser realizada sem prejuízos para a saúde fetal. Para a mulher, o fato de interromper o tratamento da quimioterapia durante a gestação não mostrou maior mortalidade conforme o estudo de Antonelli (1996) que investigou o prognóstico (perspectiva) do melanoma na gestação. Existem relatos de metástase para o feto em mulheres com melanoma estágio IV, mas é raro.

Melanoma Brasil: Interromper a gravidez é indicado? Se sim, em quais situações?

Professora Dra. Carolina Oderich: O aborto é contra-indicado nos casos de melanoma, tanto nos casos de diagnóstico prévio ou concomitante a gestação. 

Melanoma Brasil: E quando a mulher já está grávida e descobre o melanoma. O que fazer?

Professora Dra. Carolina Oderich: Ela deverá, o quanto antes, consultar o médico obstetra e oncologista para discutir o acompanhamento da gestação, como por exemplo, a pausa na quimioterapia.

Melanoma Brasil – Que tipo de tratamento a gestante deve fazer para combater a doença? Cirurgias são indicadas?

Professora Dra. Carolina Oderich: A gestante poderá ser submetida a cirurgia para retirada do tumor. Em casos mais graves pode ser discutido o uso de algum quimioterápico mais brando, lembrando sempre que o bebê será submetido a todo o tratamento conjuntamente. 

Melanoma Brasil: Já quando o tratamento precisa ser interrompido durante a gravidez, quais alternativas existentes para que a doença não evolua?

Professora Dra. Carolina Oderich: As pesquisas demonstram que o curto período de tempo que o tratamento é pausado não modifica a sobrevida dessas pacientes nos estágios I e II. Apesar da grande preocupação com a disseminação e metástases da doença não há tratamento alternativo para a quimioterapia.

Melanoma Brasil: Após o parto como deve ser a amamentação? Ela é liberada?

Professora Dra. Carolina Oderich: A amamentação não é liberada para as pacientes que retomarão a quimioterapia por falta de segurança sobre a excreção dos fármacos utilizados.

Melanoma Brasil: Falamos bastante sobre gravidez antes e durante o tratamento de melanoma. E após, homens e mulheres que já tiveram melanoma podem ter filhos?

Professora Dra. Carolina Oderich: O tratamento quimioterápico para o melanoma não tende a interferir na fertilidade de homens e mulheres. Poderão sim, ter filhos se assim o desejarem e devem discutir sempre com seu médico esse desejo antes de iniciar a quimioterapia.

Melanoma Brasil: Quanto tempo após o tratamento é preciso esperar para engravidar?

Professora Dra. Carolina Oderich: Ainda não está padronizado o intervalo de tempo que a mulher deve aguardar para uma futura gestação. O tempo deve ser baseado no alto risco de recorrência da doença, da idade da mulher e desejo de gravidez. Usualmente esse tempo pode ser de zero a cinco anos.

Fonte: Revista Femina. Melanoma na gestação: conflitos x prognóstico. Volume 36, número 9, setembro de 2008.

Receba nossa newsletter

Newsletter

Explore outros temas

Eu Senti na Pele
Blog

Andressa Gontijo

Uma pinta estranha no colo causou desconfiança na Andressa Gontijo, veterinária de 39 anos. Ela precisou percorrer um longo caminho até finalmente obter um diagnóstico

Instituto Melanoma Brasil

faça sua parte, doe!

Receba nossa newsletter

Siga-nos nas redes sociais

Inscreva-se no canal

© 2021 Melanoma Brasil // Todos os direitos reservados

Faça sua doação!

small_c_popup.png

Cadastre-se

Receba nossa newsletter

Newsletter

X