O câncer de pele é o mais prevalente no Brasil, sendo os mais comuns o carcinoma basocelular e o carcinoma espinocelular. O melanoma representa 5% dos casos, mas é o mais letal e perigoso.

A exposição à radiação solar é o principal fator de risco para o câncer de pele, que pode ser prevenido com medidas simples de fotoproteção. Além do câncer de pele, a proteção solar previne o envelhecimento cutâneo e o surgimento de manchas. Deve ser adotada desde a infância, com atenção especial aos tons de pele claros, mais sujeitas aos danos da radiação ultravioleta.

Além do protetor solar, é importante usar chapéus, óculos escuros e camisetas, preferencialmente com fator de proteção UV. Há diversos tipos de filtros solares, específicos para cada tipo de pele. Os produtos podem ser com ou sem cor, com vitaminas e agentes hidratantes, facilitando a adesão ao tratamento e oferecendo benefícios adicionais.

Uma consulta anual com o dermatologista ajuda a detectar mais cedo qualquer anormalidade. Pacientes com fatores de risco, tais como pele e olhos, cabelos claros estão mais susceptíveis a desenvolver tumores cutâneos. Pacientes com história pessoal e ou familiar da doença devem estar atentos a lesões pigmentadas e feridas que não cicatrizam.

rve cuidadosamente cada área do seu corpo (incluindo costas e toda parte posterior do corpo, couro cabeludo, unhas e plantas dos pés). Peça auxílio de um familiar, se necessário. Caso encontre um sinal com as características citadas acima, busque ajuda médica.