Apesar de os equipamentos a laser para finalidades estéticas não oferecerem risco de causar câncer de pele, a depilação a laser não é recomendada para pacientes ou ex-pacientes de melanoma. Isto porque ainda não há estudos conclusivos para confirmar se pode ou não ocorrer alteração de nevos após o procedimento. O ideal é que quem trata um melanoma ou faz acompanhamento não se submeta a procedimentos que possam modificar a forma dos sinais, para que qualquer mudança ou anormalidade seja facilmente identificada pelo médico. Assim, não é recomendável que façam depilação a laser ou outros procedimentos que possam interferir no exame da pele.