Desde 2011, as novidades são constantes no tratamento de melanoma e tem trazido muita esperança e conforto aos pacientes da doença e seus familiares. Após o diagnóstico e uma vez entendida a extensão da doença, inicia-se o planejamento para a escolha do melhor tratamento. Atualmente, existem cinco tipos de tratamento padrão, que são: cirurgia, quimioterapia, radioterapia, imunoterapia e terapia-alvo. As opções baseiam-se no estágio da doença, local do tumor, mas outros fatores, como estado geral da saúde do paciente e características do próprio câncer também são levadas em consideração na hora da escolha.

- Cirurgia: é o tratamento utilizado em todos os tipos de melanoma e em todos os seus estágios. Depois da retirada completa da lesão inicial (Biopsia Excisional) deve ser realizada uma nova cirurgia com margens amplas (Ampliação de Margens), para diminuir a chance do tumor voltar naquele local. Dependendo principalmente da profundidade do melanoma, faz-se a pesquisa do Linfonodo Sentinela, que é o primeiro gânglio a ser atingido no caso de metástase. Caso haja linfonodo positivo, o esvaziamento dos gânglios daquela região é necessário (linfadenectomia). Esse exame é feito injetando um corante azul próximo ao tumor e este é drenado para os gânglios. O primeiro gânglio atingido é removido e analisado. Se houver células tumorais nesse gânglio, o exame é considerado positivo, realizando-se então a retirada de toda aquela cadeia de gânglios. Mesmo havendo a remoção de todos os melanomas, alguns pacientes podem precisar de quimioterapia para diminuir as chances de o melanoma retornar. Isso é chamado de terapia adjuvante.

- Quimioterapia: utiliza medicamentos para parar o crescimento dos tumores, matando as células cancerosas e impedindo que elas se multipliquem. Pode ser tomada via oral ou por meio de injeções na veia ou músculo. O medicamento entra na corrente sanguínea e acaba atingindo todas as células cancerígenas que estejam espalhadas pelo corpo, sendo esta a quimioterapia sistêmica. Quando a quimioterapia é injetada diretamente no local com células tumorais, é chamada de quimioterapia regional por perfusão ou por infusão. A forma como a quimioterapia é administrada vai depender do tipo e estágio do tumor. Já os efeitos colaterais dependem do tipo e dose dos medicamentos administrados e da duração do tratamento.

- Radioterapia: é utilizado raios x de alta energia ou outros tipos de radiação para combater as células cancerosas e sua multiplicação. Existem dois tipos de radioterapia: a externa, que utiliza uma máquina fora do corpo para enviar radiação para o câncer, e a radioterapia intralesional, na qual se utiliza uma substância radioativa como se fosse uma cápsula colocada dentro ou próximo ao tumor. A forma como a radioterapia é aplicada vai depender do tipo e estágio em que o câncer se encontra. A radioterapia externa é utilizada para tratar o melanoma, bem como para aliviar os sintomas e melhorar a qualidade de vida do paciente.

- Imunoterapia: uma característica importante do sistema imunológico é sua capacidade de não atacar as células normais do corpo. Para fazer isso, ele utiliza pontos de verificação, que são proteínas em células do sistema imunológico que precisam ser ativadas (ou desligadas) para iniciar uma resposta imune. Às vezes, as células tumorais utilizam esses pontos de controle para evitar ataques do sistema imunológico, ou seja, as células do tumor apresentam grandes quantidades dessa proteína e por isso não serão atacadas nem mortas. A imunoterapia utiliza medicamentos que atuam sobre esses pontos de controle, ajudando a restaurar a resposta do sistema imunológico contra as células tumorais. Esse tipo de tarapia é utilizada em pacientes com melanomas avançados ou que não podem ser removidos cirurgicamente.

- Terapia-alvo: usa drogas ou substâncias para atacar as células cancerosas, causando menos danos às células normais do que a quimioterapia ou a radioterapia.  Após entender a ação dos genes, das proteínas e de outras moléculas presentes nas células tumorais, cria-se uma terapia personalizada. Esses medicamentos são compostos de substâncias que foram desenvolvidas para identificar e atacar características específicas das células cancerígenas, bloqueando assim o crescimento e a disseminação do câncer. Existem vários tipos deste tratamento sendo utilizados em pacientes com melanoma.